top of page
  • Fanny

Alimentação durante o aleitamento materno



Durante milhares de anos nos mamíferos, a comida natural de um bebé tem sido o leite da sua mãe.
Na sociedade de hoje, onde perdemos algum sentido de comunidade, a amamentação pode por vezes ser um desafio para as famílias e as mães.

Informar-se
Uma vez tomada a decisão de amamentar, há ainda muitas questões, e por vezes dificuldades, relacionadas com as mudanças de vida provocadas por ter um bebé.

Felizmente, é possível obter informações durante a gravidez para que os pais e familiares possam ter informações e reflexos benevolentes para acompanhar os primeiros momentos da vida do bebé e porque não avançar para a maternidade.

Aconselho vivamente os futuros pais a informarem-se sobre o aleitamento materno durante a gravidez:
- Falar com os pais cuidadosos que escolheram amamentar, que têm experiência
- Ler livros sobre o tema (A arte de amamentar)
- Participar em reuniões de pais sobre amamentação: a associação La Leche League oferece reuniões presenciais e online para que os pais, e especialmente as mães, possam trocar e partilhar sobre várias questões sobre amamentação e maternidade através do aleitamento materno
- Visite o site www.lll.org, que é uma rica fonte de informação gratuita
- E finalmente, confiar na natureza e lembrar que todos os mamíferos amamentam as suas crias. Ligue-se a si mesmo e ouça a sua intuição

Que alimentos escolher durante o aleitamento materno?
A questão seguinte que frequentemente se coloca é o que comer quando se amamenta:
- Posso comer tudo?
- O meu bebé pode ficar inchado se eu comer couve-flor?
- Posso comer alimentos como alho, piripiri, salsa e muitos outros?
- Posso adicionar sumos, rebentos, algas marinhas e muita comida crua à minha dieta?

Durante a amamentação, como durante a gravidez, será útil para a mãe ter uma dieta rica em nutrientes e vitaminas para satisfazer as suas próprias necessidades e as do seu bebé.

Em geral, não há necessidade de "comer por dois" durante a gravidez como durante o aleitamento materno. Um aumento moderado na ingestão de alimentos é bastante suficiente: Coma o dobro mas não o dobro!
A dieta que é boa para as mulheres grávidas e lactantes é a mesma para todos e deve ser adaptada de acordo com o temperamento, actividade física e tolerância de cada indivíduo.
Acompanho, entre outros, as mulheres e famílias em consultas naturopáticas para encontrar a dieta que melhor lhes convém.

Uma boa nutrição significa uma dieta variada e bem equilibrada, com alimentos servidos num estado tão próximo quanto possível do seu estado natural.
Isto é verdade quer esteja ou não a amamentar, e abrange uma gama muito vasta de escolhas alimentares.

Acima de tudo, ajudará a procurar qualidade em vez de quantidade!

Claro que uma dieta rica em vitalidade e alimentos crus será de grande benefício tanto para a mãe como para o bebé e até para o resto da família.

Verificou-se que o período de gravidez e amamentação é muitas vezes uma oportunidade para as mulheres e famílias fazerem mudanças alimentares.

Algumas mães podem descobrir que certos alimentos parecem causar reacções indesejáveis no bebé (alergias, cólicas, etc.), ou pode simplesmente haver a percepção de que a dieta da família poderia ser melhorada para o bem de todos os seus membros.
Na verdade, fazemos mais perguntas a nós próprios porque estamos bem conscientes de que o que comemos terá influência na qualidade do leite que damos ao nosso filho e mais tarde, durante a diversificação dos alimentos, desejamos muitas vezes oferecer alimentos saudáveis e de qualidade aos nossos pequenos gourmets em busca de descobertas gustativas.

É de notar que mesmo que o leite materno, mesmo mal nutrido, permaneça em todos os casos o melhor alimento para o bebé, estudos recentes parecem indicar que a dieta da mãe pode não estar isenta de consequências para a saúde da criança. *1

Durante a gravidez e quando o bebé chega, pode ser bombardeado com todo o tipo de conselhos, incluindo conselhos dietéticos. Cada um tem a sua própria experiência e é importante lembrar que não existe uma verdade absoluta. Confie em si mesmo, leia, questione, mantenha a sua mente crítica.
Poderá ser-lhe dito que deve comer este ou aquele alimento para estimular a sua lactação, ou que deve absolutamente evitar este ou aquele alimento. A única verdade virá da sua experiência e dos seus sentimentos.

ENCORAJAR A ALIMENTAÇÃO NATURAL

Comer uma dieta saudável e natural trará muitos benefícios a toda a família, incluindo a criança que em breve partilhará a refeição familiar. Todos irão beneficiar.

Uma mulher que não seja rigorosa na sua dieta ainda pode amamentar com sucesso.
No entanto, é importante lembrar que uma boa nutrição também ajuda a mãe a manter-se saudável.

A palavra "natural" pode ter muitos significados. Tenha em mente que os alimentos naturais são, antes de mais nada, não processados.

Não há nenhum alimento que deva ser "banido", mas usem o bom senso.

Álcool, tabaco, drogas: é aconselhável evitar o consumo destes produtos durante o período de amamentação.
Mesmo que seja melhor amamentar enquanto se fuma, é sempre melhor deixar de fumar.
O álcool e a grande maioria das drogas podem passar para o leite materno, pelo que será bom para a saúde do bebé (e da mãe) evitar o seu consumo.

Frescura: os alimentos frescos sabem melhor, contêm mais vitaminas e são menos susceptíveis de serem oxidados ou estragados pelo armazenamento, transporte e manuseamento.
Quanto mais curto for o tempo entre a colheita e o consumo de um fruto/vegetal, entre a produção e a utilização, mais saudável será o alimento.

Sem aditivos: Aditivos devem ser limitados. A utilização de conservantes prolonga o prazo de validade de um alimento, por vezes simplesmente mascarando os processos naturais de deterioração. O conservante em si não é geralmente benéfico para a nossa saúde, e o produto alimentar que o contém é sempre de uma qualidade nutricional inferior ao mesmo produto fresco. Acha que um alimento "fresco" que pode ser armazenado durante várias semanas pode ser realmente natural e cheio de vitalidade? Os tomates de jardim não se conservam por muito tempo, no entanto alguns tomates de supermercado parecem nunca ficar com bolor! Isto é um sinal de que a comida está viva (nasce, envelhece, morre).
Os aromas e corantes melhoram o cheiro e o aspecto das preparações industriais. Algumas colorações são de origem vegetal e não costumam causar demasiados problemas. As cores artificiais podem causar hipersensibilidade e problemas semelhantes. Outros tipos de aditivos são utilizados para aumentar a textura: suavidade, crocância ou sabor. É difícil medir o verdadeiro impacto destes aditivos na saúde. Como medida preventiva, parece útil evitá-los.
A desidratação e o congelamento são as melhores formas de manter os alimentos frescos e reter o maior número possível de vitaminas e minerais.
Aproveite a época alta para estocar frutas secas e outras preparações de todos os tipos baseadas em frutas e vegetais sazonais (biscrus, envoltórios, couros e outras receitas vivas inventivas).

Alimentos inteiros: Alimentos inteiros foram submetidos a um processamento mínimo. Retêm a maioria dos nutrientes presentes nos alimentos originais, não são "refinados".
Hoje em dia é comum comer pão e massa feita com farinha branca, obtida pela remoção do germe e farelo do trigo, arroz branco sem farelo, açúcar branco refinado e sal, óleos refinados por processos térmicos e químicos. Muitos dos ácidos gordos dos óleos refinados e margarinas estão presentes numa forma que não pode ser utilizada pelo nosso organismo. O açúcar branco e a farinha fornecem calorias, mas a maioria dos outros nutrientes são perdidos.
Todos estes alimentos processados, cozinhados em excesso, conservados e modificados oferecem muito pouco no caminho de nutrientes saudáveis.

É também importante para a saúde do nosso sistema digestivo consumir fibra alimentar, encontrada em frutas e vegetais, que é normalmente removida durante a refinação.

Desreguladores endócrinos: Também será útil prestar especial atenção aos vários desreguladores endócrinos que podem ser encontrados no leite materno ou estar em contacto directo com o bebé: na sua comida, com pesticidas, corantes, bem como em recipientes de alimentos, utensílios de cozinha, embalagens de alimentos. ..etc, mas também no seu ambiente através de tintas e outras substâncias químicas voláteis, colas, COVs (compostos orgânicos voláteis) presentes no mobiliário e outros artigos, mas também produtos químicos presentes nos cosméticos, produtos domésticos, vestuário.

Nenhum ou poucos poluentes: a agricultura integrada e orgânica visa eliminar ou limitar os pesticidas, insecticidas e fertilizantes químicos, pelo que são mais naturais.
Como os pesticidas e outros químicos estão concentrados na gordura dos animais que comem estes alimentos, a sua dieta também é importante.
Tanto para os produtos animais como vegetais, a certificação da agricultura biológica ajuda a assegurar que os poluentes são minimizados. A redução do consumo de gorduras animais e de carne vermelha reduz ainda mais o consumo de tais substâncias.

Para além disso, não há alimentos reais a proibir.
Se comeu alho, couve ou malagueta durante a sua gravidez, continue a fazê-lo!
O seu filho habituou-se a estes sabores durante a gravidez!

CONSELHOS DIETÉTICOS PARA AS MÃES QUE AMAMENTAM

A mãe pode comer
- muitos frutos frescos, maduros e saborosos: como lanche, numa salada, num puré de fruta ou num batido (maçãs, peras, persimões, pêssegos, damascos, cerejas, ameixas, figos, cocos, bananas, papaias, maracujás, ananases, mangas, kiwi, medlars, amoras, morangos, framboesas, groselhas, groselhas de cachos negros, mirtilos, laranjas, toranjas, limões, etc.)
- frutos secos: consumidos sozinhos ou incorporados em preparações (tâmaras, damascos, sultanas, maçãs, peras, bananas, mangas, ananases secos, etc.)
- sementes e oleaginosas, idealmente embebidas durante a noite para as activar (amêndoas, nozes, avelãs, castanhas de caju, girassóis, sementes de sésamo, etc.)
- vegetais sob a forma de sumo fresco, saladas simples ou mistas, possivelmente ligeiramente cozinhadas
- sementes germinadas em quantidade
- muitos alimentos vivos são ricos em cálcio: vegetais de folhas verdes (espinafres, acelgas, couves, etc.), amêndoas, nozes, figos secos, sementes de sésamo, muitas algas marinhas e muitas sementes germinadas.
Teste, varie, invente, seja criativo e divirta-se com esta vasta gama de ingredientes frescos, animados e saudáveis!

CONCENTRAÇÃO EM SEMENTES GERMINADAS E ALEITAMENTO MATERNO
As sementes germinadas são um verdadeiro concentrado de vitaminas e minerais e são portanto um alimento ideal para a mãe que amamenta.
- O feno-grego e o funcho são sementes germinadas conhecidas pela sua acção na lactação.
Estimulam a produção de leite e podem, portanto, ser recomendados durante a amamentação.
- O feno-grego traz um toque picante e perfuma ligeiramente a transpiração.
- O funcho também terá efeitos benéficos sobre o sistema digestivo.

BEBIDAS RECOMENDADAS

É recomendado evitar bebidas estimulantes (chá, café, álcool) e preferir água e chás de ervas.

As necessidades de água serão aumentadas para a produção de leite materno.
É muito comum as mães sentirem-se muito sedentas durante a alimentação.
É por isso importante ter sempre água à mão: idealmente água com baixo teor mineral, livre de cloro, resíduos de pesticidas e medicamentos.

Há uma vasta gama de chás de ervas disponíveis e podem ser adaptados às necessidades individuais da mãe (chás de ervas para ajudar a digestão, sono, circulação, etc.): peça conselhos a um naturopata ou a uma parteira formada em medicina herbácea.
Em geral, se não tiver problemas particulares, pode consumir menta, verbena de limão, um pouco de alecrim, tomilho, lima, hibisco, funcho, por exemplo. ----
Dependendo da fase da sua gravidez, certas plantas podem ser úteis para acompanhá-la e prepará-la para o parto, por exemplo.

MORDIDELAS E DESEJOS

Tal como durante a gravidez, é comum uma mãe lactante experimentar pequenos anseios ou a necessidade de mordiscar regularmente. Fruta fresca, fruta seca e sementes oleaginosas são petiscos ideais para as dores de fome da mãe e gradualmente para as dores de fome das crianças em crescimento.

Para evitar o "apetite" por alimentos industriais e refinados, tais como biscoitos, doces e pastelaria, tenha sempre petiscos saudáveis disponíveis na sua bolsa!
Este conselho é válido para a mãe, mas é claro que também para as crianças que estão a crescer!

PESO

Outra vantagem importante de manter uma dieta saudável durante a amamentação é a perda do excesso de peso acumulado durante a gravidez.
A maioria das mulheres tem excesso de peso no final da sua gravidez. Este peso será gradualmente utilizado durante os meses de amamentação, para que a dieta diária não tenha de cobrir todas as necessidades nutricionais.


É normal, natural e fisiológico ganhar peso durante a gravidez, uma vez que o corpo da mulher está a acumular reservas em preparação para a amamentação.
Muitas mulheres que estão a amamentar vêem o seu excesso de peso desaparecer lentamente em poucos meses, sem qualquer esforço ou dieta drástica!
Também é possível alterar suavemente a dieta durante este período.
Não tenha medo de recorrer a uma dieta mais baseada em plantas, viva e variada!
E se tiver medo de perder demasiado peso, pense em sementes oleaginosas, abacates ricos em gordura e coma várias refeições/snacks por dia.

Em resumo, lembrar que uma dieta variada, equilibrada e natural é ideal durante o aleitamento materno.
Adicionar alimentos vivos e vegetais e lembrar que é útil prestar atenção à qualidade dos alimentos em vez da quantidade que se come.

Ofereço consultas individuais para acompanhar o seu projecto de amamentação de uma forma naturopática e para cuidar da sua saúde, respeitando o seu ritmo e o de toda a família.

Fanny RUSSAOUEN MARTINS
Naturopata, Higienista, especialista em saúde de mulheres e crianças
Pré-concepção, Gravidez, Amamentação, Crianças, Adolescentes, Puberdade, Menopausa
Cursos de jejum em Portugal
Consultas remotas


Contacto: fannynaturo@mailo.com 06.64.23.11.38

Fontes :
Sítio Web da Associação da Liga La Leche: www.lll.org

*1 : https://www.lllfrance.org/vous-informer/fonds-documentaire/allaiter-aujourd-hui-extraits/1987-aa-113-breves-alimentation-de-la-mere-qui-allaite
2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page